quinta-feira, 3 de março de 2016

Viva nostalgia!


O monstro do mar

Testes nucleares no Ártico conduzidos pelo Exército americano despertam um perigoso dinossauro que hibernava há centenas de anos. A criatura segue pelo mar em direção à costa para se alimentar de carne, o que poderá causar destruição nas cidades. Alertados do iminente caos, o professor Tom Nesbitt (Paul Hubschmid) ao lado do veterano paleontólogo Thurgood Elson (Cecil Kellaway) mobilizará o máximo de pessoas para barrar o dinossauro.

Produzido pela Warner Bros em 1953, “O monstro do mar” é uma legítima fita de ficção científica nos padrões da época de ouro do cinema americano. Eletrizante desde o fantástico início no gelo (gravado em cenários bem realistas), foi enorme sucesso de público nos Estados Unidos – custou U$ 210 mil e teve U$ 5 milhões de bilheteria! Historiadores do cinema apontam a fita como precursora do Godzilla, pois o filme japonês realizado um ano depois trouxe história parecida, inclusive na forma como o monstro desperta (por testes nucleares), além do aspecto jurássico da criatura (aqui ele anda com as quatro patas, como um réptil, diferente do Godzilla). O responsável por dar vida ao dinossauro de “O monstro do mar” foi o famoso novelista Ray Bradbury (1920-2012), o mago dos contos fantásticos de scifi, muitos deles transformados em produtos de cinema e TV. E ele não cria nada casual. Do despertar da criatura no Ártico ao grand-finale no parque de diversões acompanhamos, atônitos, a luta “do bem contra o mal”, do homem racional contra a besta destruidora, um dos “yin-yang” dos primórdios da humanidade. O homem, dotado de inteligência e força, desperta o bicho em seu habitat natural e ele mesmo têm de eliminar o problema, movido ao ímpeto da evolução das máquinas, da guerra, do poderio bélico, na base do capitalismo mais selvagem que possamos testemunhar. Na linha do Godzilla, o filme provoca uma reflexão de assuntos experimentados na pele na atualidade, e se trocarmos a perseguição do monstro por símbolos contemporâneos, vê-se, por exemplo, o consumo desmedido em busca do fator ‘poder/status’. Realço, devido à importância desse teor por trás da obra, não a assista com uma visão simplista.
Quem procura um entretenimento do cinema antigo, inteligente, movimentado, aproxime-se dessa boa oportunidade, que acaba de sair em DVD no Brasil em cópia restaurada, na caixa “Godzilla Origens”, que reúne também o clássico japonês “Godzilla” (1954) e “Godzilla, o rei dos monstros!” (1956), além de extras imperdíveis e cards especiais.
A direção é do ucraniano Eugène Lourié (1903–1991), que dirigiu pouco, mais lembrado como diretor de arte de dezenas de filmes nos anos 30, 40 e 50.


O monstro do mar (The beast from 20,000 fathoms). EUA, 1953, 79 min. Ficção científica/Ação. Preto-e-branco. Dirigido por Eugène Lourié. Distribuição: Obras-primas

* Publicado na coluna "Middia Cinema", da revista Middia - edição fevereiro/marco de 2016

Nenhum comentário: