quarta-feira, 21 de junho de 2017

Nota do blogueiro


Pequena amostra de filmes soviéticos e russos lançados em DVD pela CPC Umes Filmes, licenciados e restaurados pela Mosfilm. Pela primeira vez no Brasil, seis raridades imperdíveis aos cinéfilos e colecionadores, com um lindo projeto gráfico! Apresento a vocês "A história de um homem de verdade" (1948), "O fascismo de todos os dias" (1965), "Tigre branco" (2012), "Solaris" (1972), "A mãe" (1989) e "12 cadeiras" (1970). Já nas melhoras lojas! Valeu, @cpcumesfilmes, pelo envio dos títulos. Conheça todo o catálogo da CPC Umes Filmes em
http://cpcumesfilmes.org.br/prestashop/index.php


segunda-feira, 19 de junho de 2017

Sorteio de ingressos


E tem novo sorteio no blog!
Cinema na Web, em parceria com a Paris Filmes, vai sortear amanhã quatorze ingressos para sessão do filme brasileiro "Meus 15 anos", longa protagonizado por Larissa Manoela com participação do humorista Rafael Infante e da cantora Anitta.
Para participar é simples - envie um email até amanhã (dia 20/06) às 20h para felipebb85@hotmail.com, com seu nome completo, telefone de contato e cidade, com a frase Eu quero ganhar um ingresso. A sessão é válida para todos os cinemas parceiros da Paris Filmes (vide ingressos), e a retirada deve ser feita diretamente comigo, em Catanduva. Não serão encaminhados ingressos por correios. Sessões válidas de segunda a quarta-feira, exceto feriados.




sábado, 17 de junho de 2017

Nota do blogueiro


"Por toda a sala, eles lutaram: estocada e parada, finta e contrafinta. O ar dentro das bolhas formadas pelos escudos, de tão exigido, ficou viciado, pois a lenta troca gasosa que se dava nas bordas das barreiras não o conseguia repor. A cada novo contato dos escudos, o cheiro de ozônio ficava mais forte. Paul continuou a recuar, mas agora dirigia-se para a mesa de exercícios. Se conseguir contorná-lo perto da mesa, irei lhe mostrar um truque, pensou Paul. Só mais um passo, Gurney".
Trecho do cultuado romance de ficção científica "Duna" (1965), de Frank Herbert, relançado este mês pela Editora Aleph em nova edição, com capa dura, ilustrações, mapas, lista de terminologia, notas cartográficas e introdução inédita de Neil Gaiman (2017, 680 páginas, tradução de Maria do Carmo Zanini).
Controverso, enérgico e repleto de personagens bizarros, o livro é dividido em três partes (Duna, Muad'Dib e O profeta) e quatro apêndices. Teve continuações escritas por Herbert e pelo filho, Brian, originou o filme homônimo de 1984, de David Lynch, indicado ao Oscar, e também o seriado em 2000. Uma obra futurista revolucionária e imprescindível para os fãs. Já nas melhores livrarias! Super obrigado, equipe da @editoraaleph, pelo envio do exemplar.


quinta-feira, 15 de junho de 2017

Resenha Especial



Ponette – À espera de um anjo

Ponette (Victoire Thivisol), uma garotinha de quatro anos, sofre a perda da mãe. Entristecida, lamenta o ocorrido e compartilha esse estranho sentimento com o pai e com os amigos da escola buscando maneiras de encontrar a mãe um dia.

Um dos grandes filmes do cinema sobre o olhar da criança em torno de temas adultos, escrito e dirigido com simplicidade técnica pelo francês Jacques Doillon, de “O jovem assassino” (1990) e do recente “Rodin” (2017 - em cartaz nas salas brasileiras). Para realizar essa belíssima obra-prima do cinema francês (e o filme mais importante da sua carreira) Doillon recrutou uma garotinha inexperiente de Lyon, chamada Victoire Thivisol, na época com quatro anos, para ser a base de toda a história que viria contar. A composição da personagem-título por Victoire é de uma naturalidade impressionante, que emociona os desavisados e nos faz refletir. Ponette vive amargurada, anda com indagações sobre a morte prematura da mãe, tem pensamentos maduros para sua tenra idade, questiona a lei da vida, tenta compreender o sentido da ausência. Ela não aceita a morte, chora, corre atrás de respostas quando conversa com o pai ou com os amiguinhos da escola. Recorre até a Deus para ampliar o significado de todo aquele vazio e sofrimento. O filme constrói metodicamente a relação da criança com a morte, dos impactos que isto pode causar no coração e na mente de uma menina que está começando a compreensão de mundo, e o público padece junto, tamanha a beleza cinematográfica e a percepção do diretor Doillon, um artesão na arte do encantamento. Pelo papel, a atriz mirim Victoire Thivisol ganhou prêmio especial no Festival de Veneza – e o filme recebeu honrosamente indicação ao Leão de Ouro.
Redescoberto agora pela distribuidora brasileira Obras-Primas do Cinema, “Ponette” é uma poesia cativante sobre maturidade, esperança e morte, que pode ser absorvido como uma lição de vida. Obrigatório!
A edição especial recém-lançada pela Obras-Primas do Cinema traz, como bônus, uma hora de entrevistas e making of.

Ponette – À espera de um anjo (Ponette). França, 1996, 93 min. Drama. Dirigido por Jacques Doillon. Distribuição: Obras-Primas do Cinema

Nota do blogueiro


" - Acredito em você, John Carter. Não sei o que é um 'cavalheiro', nem nunca ouvi falar da Virgínia, mas em Barsoom os homens não mentem. Se ele não deseja falar a verdade, permanece em silêncio".
Trecho do livro "Uma princesa de Marte", de Edgar Rice Burroughs, publicado como uma série em seis partes na All-Story Magazine, em 1912, e lançado no Brasil pela editora Aleph em 2012 (269 páginas, tradução de Ricardo Giassetti). Uma deliciosa e fascinante aventura scifi escrita pelo criador de Tarzan e que inspirou o filme da Disney "John Carter: Entre dois mundos" (2012). Já nas lojas. Obrigado, equipe da @editoraaleph, pelo envio do livro.


sábado, 10 de junho de 2017

Nota do blogueiro


"Não demorou muito até que Nancy a avistasse: a menina esguia usando um vestido xadrez vermelho, com duas grossas tranças de cabelo cor de linho, pendendo às costas. Sob o chapéu de palha um pequeno rosto ansioso e sardento[...]". Trecho do adorável, inspirador e mundialmente aplaudido romance "Pollyana", de Eleanor H. Porter. Escrito em 1913, virou filme da Disney em 1960, ganhador do Globo de Ouro, e agora acaba de sair nessa fabulosa reedição de capa alegre pela Martin Claret (2017, 201 páginas, tradução de Luiz Fernando Martins). Agradeço o envio do exemplar, equipe da @editoramartinclaret.


quarta-feira, 7 de junho de 2017

Cine Lançamento


Romance à francesa

Clément (Emmanuel Mouret), um professor quarentão, está feliz da vida, pois namora uma linda mulher, a atriz Alicia (Virginie Efira). Sempre enrolado com relacionamentos, conhece outra beldade, a jovem e intrometida Caprice (Anaïs Demoustier), que quer sair com ele de todo jeito, não se importando em ser sua amante. Dividido entre as duas, Clément encontrará grandes problemas pela frente, ainda mais quando descobre que o melhor amigo está apaixonado por Alicia.

Mais uma boa investida da França na comédia romântica independente, uma fita modesta e agradável, que na Europa obteve pequeno sucesso, porém no Brasil ninguém ouviu falar (estreou em outubro nos cinemas brasileiros, pela Mares Filmes, que acabou de lançá-la em DVD). Escrito, dirigido e protagonizado por Emmanuel Mouret, um dos bons atores da nova geração do seu país, o filme fala sobre amores fugazes e amantes, um tema batido, mas aqui tratado com singeleza, sem pender para exageros ou romance barato. Conhecemos de perto a vida de um professor de beleza duvidosa lidando com duas mulheres charmosas, a namorada, uma atriz prestigiada, e a amante, mais nova e enxerida (de nome Caprice, título original do filme). Além de se dividir no relacionamento, fica sabendo que o fiel amigo foi seduzido pela sua namorada “oficial” – as confusões começam aí, para incrementar os conflitos da história, que tem um desfecho bonito. Sem delongas, o roteiro resume-se às atrapalhadas de um homem indeciso no relacionamento, as mentiras para não ser exposto e como trair sem ser descoberto.
De um tempo para cá, já apontei isto em resenhas anteriores, o Brasil recebe uma infinidade de comédias francesas bem legais, todavia fora do circuito, em consequência, pouco conhecidas do grande público. “Romance à francesa” é uma dessas gratas surpresas, que merece atenção. Assistam!

Romance à francesa (Caprice). França, 2015, 99 min. Comédia romântica. Dirigido por Emmanuel Mouret. Distribuição: Mares Filmes

terça-feira, 6 de junho de 2017

Nota do blogueiro


"Respiro fundo. Conforme as histórias vão passando, uma atrás da outra, eu me sinto aliviado quando meu nome não é citado. Em seguida, vem o medo daquilo que ela não disse ainda, do que ela vai dizer quando chegar minha vez. Porque minha vez está chegando. Eu sei. E quero que isso acabe. O que foi que eu fiz para você, Hannah?".
Trecho do livro "Os 13 porquês" (2009, de Jay Asher, tradução de José Augusto Lemos), relançado esse ano pela editora Atica devido ao sucesso da série produzida pelo Netflix. Um romance duro sobre temas fortemente ligados ao mundo da juventude contemporânea, para jovens e adultos refletirem os perigos do bullying na escola. Vale a leitura e depois a revisão da série mundialmente comentada. Já nas livrarias. Obrigado, equipe da Atica, pelo exemplar (abaixo, a capa original e também a versão com a luva em homenagem à série).