quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Nota do Blogueiro


LIVROS DE CINEMA 

Editora Estronho com novos lançamentos no mercado. Palmas!
Parabéns ao Marcelo Amado, pelo trabalho brilhante frente à empresa.

Conheçam mais na Fanpage do Facebook da Estronho
https://www.facebook.com/estronhobook/?fref=ts

E no site http://www.estronho.com.br/editora


quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Nota do blogueiro


CINEMA, SÉRIES E SHOWS

Conhecem a Looke? Compartilhando da M2 Comunicação.
Looke é uma plataforma de streaming de vídeo que permite comprar, alugar ou assinar milhares de títulos entre filmes, séries, documentários, animações e shows. No catálogo do Looke você encontra o conteúdo mais diversificado e novo do mercado com milhares de filmes, incluindo os principais estúdios e muito outros parceiros de conteúdo do Brasil. A locação e a compra não estão vinculadas ao plano de assinatura mensal
Os usuários e assinantes podem assistir todo conteúdo de vários lugares: pelo site http://www.looke.com.br/, nos aplicativos dos celulares e tablets com sistemas operacionais IOS, Android e Windows 10, nas Smart TVs LG, Samsung, Phillips e Sony e nos consoles Xbox e, em breve, no PlayStation 3 e 4 e Apple TV2.

LOOKE - A Plataforma de Vídeos Mais Completa do Brasil. A Única que permite ao usuário poder Alugar, Comprar ou Assinar

Facebook: https://www.facebook.com/LookeBrasil

Twitter: https://twitter.com/lookebrasil

Instagram: https://www.instagram.com/lookebrasil


quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Nota do blogueiro


Amigos cinéfilos e cineastas

Conheçam a page do Facebook da M2 Comunicação, responsável pela distribuição no Brasil dos DVDs da Sony Pictures, Paramount e Universal. Empresa de marketing e assessoria coordenado pela Madalena Martins, querida parceira de trabalho há tantos anos!

https://www.facebook.com/Mdoiscomunicacao/?fref=ts


Acessem também o blog da M2:
http://mdoiscomunicacao.blogspot.com.br


quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Nota do blogueiro


Amigos, façam uma visitinha à fanpage no Facebook e ao site da A2 Filmes, empresa que reúne três importantes selos independentes do home entertainment brasileiro, a Flashtar Filmes, a Mares Filmes e a Focus Filmes, e responsável pela distribuição dos DVDs dessas marcas no mercado.
Curtam a página no Facebook para receber atualizações diárias!


Fanpage
www.facebook.com/a2filmes.com.br/?ref=ts&fref=ts

Site
www.a2filmes.com.br


quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Cine Lançamento


O que eu fiz para merecer isso?

Ao caminhar pelas ruas de Paris, o dentista Michel Leproux (Christian Clavier), fã de jazz, encontra um disco raro em um sebo. Feliz da vida, adquire o exemplar a preço de banana e segue para o apartamento onde mora com a esposa, pensando em tirar o dia para ouvir o álbum. O dia aparenta ser tranquilo, porém uma série de empecilhos irá tirar o sossego daquele senhor e o impedirá de ouvir o disco.

O cinema francês contemporâneo anda em alta com bons filmes independentes de comédia. Felizmente, grande parte chega ao Brasil ou nas salas de cinema ou direto em DVD. “O que eu fiz para merecer isso?” é um deles – foi exibido nas telonas em abril (houve atraso na distribuição, pois a produção é de 2014) e agora nos é apresentado em DVD pela Mares Filmes (que vem inovando o mercado com ótimos lançamentos). Simpático e leve, o filme tem qualidades especiais que o tornam um passatempo divertido: o excelente Christian Clavier no papel do protagonista, um senhor à beira do colapso; a direção do competente Patrice Leconte, ganhador do Bafta e indicado a duas Palmas de Ouro, que optou pelo estilo teatral, filmando tudo dentro de um apartamento; e o time de coadjuvantes, que a cada sequência trazem revelações para a história (a destacar Carole Bouquet como a esposa abalada emocionalmente, Rossy de Palma, atriz de obras do Almodóvar, como a faxineira teimosa, e Stéphane De Groodt, um vizinho polonês intrometido).
Pelo formato teatral, a história começa e termina em apenas uma tarde, com uma sucessão de erros e desencontros malucos, porém bem do cotidiano, envolvendo o azarado senhor parisiense com dramas pessoais, conflitos com vizinhos, encanadores, faxineira, filho desleixado, imigrantes filipinos e até a amante! As situações estressantes daquele dia infernal crescem a cada tomada, com o ápice no absurdo, que fará com que o personagem central saia da zona de conforto, preencha o vazio da existência, de um mundinho próprio, para enxergar as belezas em volta de si.
Com roteiro e diálogos de Florian Zeller, adaptados da peça de sua autoria, o filme favorece o riso do público. Se procura um filme engraçado, este vale o ingresso! Já nas locadoras.


O que eu fiz para merecer isso? (Une heure de tranquillité). França, 2014, 79 min. Comédia. Dirigido por Patrice Leconte. Distribuição: Mares Filmes

terça-feira, 2 de agosto de 2016

Resenha especial


O esporte favorito dos homens

Funcionário de uma loja de artigos esportivos, Roger Willoughby (Rock Hudson) ficou consagrado como autor de um guia de pesca, livro campeão de vendas nos Estados Unidos. Só que ele nunca pescou na vida, ou seja, apenas conhece a área por pesquisas. Tudo começa a mudar drasticamente para ele quando o chefe o inscreve em um concurso de pesca. Receoso, aceita o desafio, e será acompanhado por Abigail (Paula Prentiss), uma garota doidinha, que irá transformar os seus dias (para melhor ou para pior?).

Qual o esporte preferido dos homens? O título em inglês dessa deliciosa comédia de 1964 joga a pergunta ao público. O bonitão Rock Hudson sabe a resposta na ponta da língua, mas na teoria: a pesca. Ele, um apaixonado pelo esporte na beira do rio. Conhece tudo a respeito de varas, carretilhas, anzóis, peixes, só que nunca pescou até hoje. Todavia há sempre um dia para a iniciação.
Com livre abertura para a comédia pastelão e piadas visuais engraçadíssimas, o filme garante humor do início ao fim, com um Rock Hudson no auge da carreira, com o corpo em forma. E Paula Prentiss então, charmosa, num dos melhores papeis da filmografia (que pena ela ter sumido do mapa!). Química em alto astral dos dois protagonistas.
Baseado na história “The girl who almost got away”, de Pat Frank, foi inteiramente rodado em estúdio, com roteiro agradável, com gostinho dos anos 60 (um pouco datado, sim, próprio para os nostálgicos de plantão).
Dirigida pelo lendário Howard Hawks (1896-1977), em seu trabalho mais descompromissado (ele realizou comédias e dramas aos montes no início da carreira, depois se dedicou aos faroestes), a fita tinha como ideia inicial, na pré-produção, ser a refilmagem de “Levada da breca” (1938), do próprio Hawks; como não vingou, o diretor resolveu remontar sequências em homenagem ao original, como a cena do vestido rasgado. Fãs do cinema se lembrarão!
Um filme para ver e rever, com prazer, e soltar gargalhadas! Inédito em DVD no Brasil, acaba de ser lançado pela Obras-primas do Cinema.

O esporte favorito dos homens (Man's favorite sport?). EUA, 1964, 120 min. Comédia. Dirigido por Howard Hawks. Distribuição: Obras-primas do Cinema

* Publicado na coluna Middia Cinema, da revista Middia Magazine - edição de agosto/setembro de 2016

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Resenha Especial


Cemitério sem cruzes

Em um desértico vilarejo, Maria Caine (Michéle Mercier) vê o marido ser enforcado devido a uma antiga rivalidade com a família Rogers. Tomada pelo desejo de vingança e sem ajuda da família, contrata um misterioso pistoleiro, Manuel (Robert Hossein), para eliminar os algozes do falecido esposo. Destemido, Manuel invade o rancho dos Rogers e sequestra uma das filhas daquela família iniciando um plano sanguinário.

Pela primeira vez no Brasil em cópia restaurada chega em DVD, pela Versátil, o excelente faroeste spaghetti “Cemitério sem cruzes” (1969), composta pelas melhores características do bang-bang italiano. Violento, barroco, sem concessões ou romantismo, personagens ardilosos (dentre eles os matadores sem piedade), o filme é capitaneado por duas figuras emblemáticas dessa modalidade de western: o pistoleiro enigmático, sozinho como um fantasma caminhante, procurado para fazer justiça em uma cidadela sem lei, papel do francês Robert Hossein (hoje vivo, aos 89 anos), e a marca única: a luva preta em apenas uma das mãos; do outro lado, a viúva de luto, maltratada pelo destino, com sede de vingança a qualquer custo – a também francesa Michéle Mercier. Ela é a mentora do plano-chave da história, posto em ação pelo pistoleiro. Porém haverá percalços incontornáveis pelo caminho (como em todo bom faroeste).
Os lugares sujos, o feísmo no estereótipo e na dor dos personagens e o sol derradeiro engolindo o ambiente desértico realçam com solidez o barroco, presente no western macarrônico. O cineasta Sergio Leone, a quem é dedicado este filme, tirou de letra o barroco no cinema na “Trilogia dos Dólares”, composto por “Por um punhado de dólares”, “Por uns dólares a mais” e “Três homens em conflito”.
Coprodução Itália, França e Espanha, “Cemitério das cruzes” teve roteiro escrito por Claude Desailly, Robert Hossein (o ator e também diretor) e Dario Argento, o mestre do terror italiano, em seu sétimo screenplay, um ano depois de criar o argumento de “Era uma vez no Oeste” (1968), obra-prima de Leone.
Curiosidade: o elenco central é francês, o filme foi rodado em Andaluzia (Espanha) e equipe de produção, italiana.
O filme sai no box “Faroeste Spaghetti”, com outras três obras essenciais do gênero dos anos 60 e 70: “O dia da desforra” (1966), “Dias de ira” (1967) e “Tepepa” (1972), todos em inéditas versões integrais restauradas com áudio original em italiano, além de extras. Edição limitada com quatro cards colecionáveis.



Cemitério sem cruzes (Une corde, un Colt...). Itália/França/Espanha, 1969, 90 min. Faroeste. Dirigido por Robert Hossein. Distribuição: Versátil Home Video

* Publicado na coluna Middia Cinema, na revista Middia Magazine - edição de agosto/setembro de 2016.

quinta-feira, 28 de julho de 2016

Cine Lançamento


Irmãs

Ao saberem que a casa da família será colocada à venda, as irmãs Maura (Amy Poehler) e Kate (Tina Fey) decidem passar juntas os últimos dias na antiga residência, para reviver as lembranças da infância e juventude. Resgatam o contato dos amigos de outrora e organizam uma balada com consequências desastrosas.

Que tal uma comédia divertidamente debochada com elenco feminino nota 10? Tudo pode acontecer quando duas irmãs, quase quarentonas, planejam uma festa de arromba para se despedir da casa onde sempre viveram com os pais. Abrem a lista de contatos e reúnem, de A a Z, uma centena de amigos para uma longa jornada noite adentro, com direito a open bar, música eletrônica no último volume e momentos alucinantes que beiram a hecatombe nuclear!
Iniciadas em programas de TV, as atrizes Amy Poehler e Tina Fey seguram as pontas dessa comédia impossível, afinada no humor infame, felizmente sem apelação a drogas, escatologia ou pornografia (como poderia se suceder, pois hoje a comédia americana se sustenta nesse tom até a exaustão). Aperte o ‘on’ do piloto automático, desligue o alerta do bom senso e desfrute um passatempo politicamente incorreto, com trilha sonora de Simpy Red a Daft Punk, em sequências enérgicas e absurdas com viés de pastelão.
Bons coadjuvantes cooperam para as gargalhadas, a destacar outros dois nomes da TV, Bobby Moynihan e Maya Rudolph. Sucesso nas salas de cinema americana, rendeu U$ 90 milhões, dos custos de U$ 30 milhões. Diversão garantida para público jovem e adulto.


Irmãs (Sisters). EUA, 2015, 118 min. Comédia. Dirigido por Jason Moore. Distribuição: Universal