sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Cine Lançamento



Filha do mal

A jovem Isabella Rossi (Fernanda Andrade) acredita que a mãe tenha assassinado três pessoas. O crime ocorrera 20 anos atrás, e hoje a mulher está internada em um hospital psiquiátrico. Indícios mostram que as mortes ocorreram durante um ritual secreto de exorcismo. Querendo saber a verdade, Isabella, com a ajuda de uma equipe de filmagem, parte para a Itália, onde participa de diversos exorcismos não autorizados, ao mesmo tempo em que vasculha documentos da polícia e da Igreja Católica.

Reza a lenda que o filme é baseado em fatos reais. Uns acreditam, outros descartam a ideia. No próprio desfecho há menção sobre a veracidade dos fatos. Eu sou descrente. Pra mim, pura jogada de marketing, assim como fizeram com “A bruxa de Blair”, “Atividade paranormal” e outros de terror barato.
“Filha do mal” tem raras qualidades e defeitos à beça. Primeiro, provoca tensão e sustos (recomendo àqueles que ficam impressionados não assistirem de madrugada, ainda mais se chegarem à cena de uma menina amarrada na cama, toda contorcida com o diabo no corpo, imitação de “O exorcista”). O defeito: todo em primeira pessoa; o cinegrafista é um dos personagens, e com a câmera no ombro, ele fica no encalço da jovem em busca da verdade sobre a mãe assassina. Tudo fica trepidado, mal gravado, sem foco (de propósito), enquadramentos piores não existem como aqui! Uma falta de estética total, que tira o gostinho de terror da trama. Cansa quem está do outro lado assistindo, e confunde a visão, dificultando notarmos as minúcias da história.
Desavisadas, as pessoas compareceram em peso na estreia. Todas queriam assistir, ainda mais sabendo da polêmica em torno do projeto (de que o Vaticano proibiu as gravações – outra jogada de marketing apelativo). Nada impediu o sucesso. Abriu em mais de 2.200 salas de cinema, fez um baita barulhão na bilheteria, sendo um dos filmes mais vistos no primeiro bimestre de 2012 – U$ 53 milhões arrecadados. Uma quantia generosa, acima da média, pois o projeto custou apenas U$ 1 mi.
Notamos de cara os recursos mínimos, as poucas locações (rodado inteiramente em estúdio em Bucareste, Romênia), cuja trama se repete a cada ano. Reparem na quantidade de filmes semelhantes lançados nos três últimos anos. É uma tendência que vai permanecer por um bom tempinho.
No elenco central está a paulistana Fernanda Andrade, radicada nos EUA há muito tempo, que por lá atua em séries e filmes para TV. Esse é o primeiro trabalho importante na carreira da atriz de 28 anos. Ela é bonita, mas não tem presença. Até porque as gravações, sem enquadramentos adequados, não ajudam. Conta também com a participação pequena de outra atriz de TV, a veterana Suzan Crowley (no papel da mãe louca da jovem Isabella Rossi).
Os realizadores pecaram principalmente na escolha errada da técnica. Uma pena terem desperdiçado o intrigante roteiro num filme de baixo orçamento, mal gravado e mais: sem um desfecho convincente (outro erro crasso).
Pela curiosidade referente à publicidade do filme acredito que muita gente ainda irá conferir. Por Felipe Brida

Filha do mal (The devil inside). EUA, 2012, 83 min. Horror. Dirigido por William Brent Bell. Distribuição: Paramount Pictures

2 comentários:

Maristela G Salgado disse...

Que bom poder ler essas dicas e não perder tempo assistindo "porcarias". Eu vou acompanhar seu blog e ficar por dentro, brigadão elas dicas! abração!!

Felipe Boso Brida disse...

Que bom, Maristela! Fique por dentro sim! O blog completa 5 anos. Saudades de você! Um abraço - espero que esteja tudo ok contigo.